11/05/2016 00:00:00

Erros de refração: miopia, astigmatismo e hipermetropia

Saiba os motivos desses problemas de visão


Com certeza, você conhece alguém que usa óculos ou lentes de contato para corrigir algum problema na visão. Os distúrbios mais comuns, também chamados de erros de refração, acontecem porque a imagem se forma no local errado do olho. Na visão normal, a focalização da imagem ocorre no centro da retina, localizada no fundo do olho. Já para quem tem miopia, astigmatismo e hipermetropia, a imagem captada é focalizada de forma errada antes, depois ou em ângulos diferentes da retina. O médico oftalmologista Benedito Delsin explica as diferenças entre esses principais problemas da visão. Confira!

Miopia:

“A miopia pode ser entendida como a dificuldade em enxergar de longe”, diz Delsin. Segundo o oftalmologista, córneas com curvatura acentuada, olhos mais compridos e a hereditariedade são fatores que levam ao desenvolvimento da miopia, o que resulta na formação da imagem antes da retina. Nesse caso, é indicado a utilização de lentes côncavas negativas, que fazem os raios convergirem mais para trás, sobre a retina.

Hipermetropia:

Ao contrário da miopia, a hipermetropia é a dificuldade em enxergar imagens mais próximas. Nesse erro de refração, o olho é um pouco menor do que o normal, por isso a imagem se forma depois da retina. “Por meio do uso de lentes convexas positivas, os raios voltam a convergir no local correto”, explica.

Astigmatismo:

Segundo Delsin, o astigmatismo ocorre quando a córnea apresenta irregularidades em sua superfície, fazendo com que imagem seja focada em vários pontos do olho. Assim, há dificuldade para enxergar de perto e também de longe. “Por meio da utilização de lentes cilíndricas, os raios de luz vão se convergir para um ponto comum”, afirma Delsin.

Dr. Delsin ressalta que por meio do grau nos óculos ou nas lentes de contato, o ponto de convergência da imagem passa para o local correto, que é o centro da retina. “Para casos específicos, há cirurgias que resolvem o problema e eliminam a necessidade de usar óculos, proporcionando resultado seguro e eficaz. No entanto, são necessários vários exames para analisar a possibilidade da cirurgia”, finaliza o oftalmologista.





ULTIMAS
NOTÍCIAS